Google quer repensar a maneira como lidamos com endereços de sites (URLs). Segurança ou vantagem?

A Google quer acabar com as URLs na internet. Sigla para “Uniform Resource Locator”, elas se tratam do endereço padronizado de sites, páginas e perfis. O que acontece é que este padrão foi criado nos primórdios da conexão de redes e possui basicamente a mesma proposta até hoje.

Em entrevista para para a Wired, a gerente de engenharia do Chrome, Adrienne Porter, informou que gostaria de mudar como as URLs são feitas. Para ela, trata-se de um sistema muito complexo ainda para novos usuários, o que exige muita experiência para realmente entender como funciona.

Tal complexidade abre brechas para golpes. Um dos principais é o phishing, em que um usuário é instigado a clicar em um link malicioso por engano. Para isso, por vezes, hackers utilizam URLs semelhantes ou mesmo totalmente complexas para enganar o usuário.

Qual a solução então? A ideia de Porter é que se possa criar um sistema sem URLs, em que as pessoas pudessem encontrar informações apenas nos mecanismos de busca. Para uma empresa como a Google, este sonho parece mais que compreensível.

Contudo, ela mesma admite que ainda não há um entendimento sobre como e quais parâmetros podem ser usados para substituir as URLs. A empresa até testou algumas ferramentas de encurtamento automático de links em seu navegador, o que Firefox e Opera também fazem atualmente. Assim, apenas o principal domínio fica indicado na barra de endereço, sendo totalmente revelado com um clique.